Related content

GAZETA DO POVO/HAUS (PR)

28 fevereiro, 2018 Revisão de imprensa

Matéria publicada originalmente no jornal GAZETA DO POVO de Curitiba (PR):

Palestras com grandes nomes do urbanismo e por trás da inovação de cidades inteligentes ao redor do mundo; exposição com a apresentação de soluções tecnológicas desenvolvidas por empresas tradicionais e startups; espaço reservado para muito networking. Esses são alguns dos elementos que atraíram mais de quatro mil pessoas à Expo Renault Barigui nesta quarta-feira (28), primeiro dia do Smart City Expo Curitiba.

A feira, que vai até dia 1º de março, é a primeira edição brasileira do maior evento sobre cidades inteligentes do mundo, o Smart City Expo World Congress (SCE), que acontece anualmente em Barcelona. O arquiteto e engenheiro Carlo Ratti, que dirige o Senseable City Lab do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) abriu o congresso com uma apresentação que lotou o salão principal.

Cidadãos atuantes
A conversa “Governo aberto e participação cidadã” contou com representantes do Brasil, da Itália e do Equador para mostrar como esse tipo de iniciativa pode ser colocada em prática, cada com seu próprio exemplo de sucesso: uma rede social de cidadania, laboratórios de inovação social e a construção da primeira smart city social do mundo.

A feira, que vai até dia 1º de março, é a primeira edição brasileira do maior evento sobre cidades inteligentes do mundo, o Smart City Expo World Congress (SCE), que acontece anualmente em Barcelona. O arquiteto e engenheiro Carlo Ratti, que dirige o Senseable City Lab do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) abriu o congresso com uma apresentação que lotou o salão principal.

Cidadãos atuantes
A conversa “Governo aberto e participação cidadã” contou com representantes do Brasil, da Itália e do Equador para mostrar como esse tipo de iniciativa pode ser colocada em prática, cada com seu próprio exemplo de sucesso: uma rede social de cidadania, laboratórios de inovação social e a construção da primeira smart city social do mundo.

O equatoriano Juan Merlo deu início ao debate, apresentando sua startup Wonder.lab. Na capital de seu país, Quito, ele desenvolve laboratórios de inovação que gerem impacto social e que busquem soluções para as cidades através da colaboração e trabalho conjunto.

O brasileiro Gustavo Maia apresentou sua plataforma Colab, responsável por agregar de forma inteligente diversas reivindicações para a cidade feitas por parte dos cidadãos, como identificar buracos nas ruas ou postes de luz que precisam de manutenção.

Por fim, Susanna Marchionni, italiana, é uma das responsáveis pela criação da primeira smart city social do mundo, sendo construída cidade de São Gonçalo do Amarante, no Ceará. A iniciativa propõe um novo tipo de experiência urbana em que tudo é conectado e otimizado a partir do compartilhamento de informações dos moradores com preços acessíveis e bem abaixo da média de uma smart city — o preço médio do metro quadrado em lote residencial, atualmente, é de R$ 280.

Os três discutiram como essas iniciativas compõem novas formas de vivenciar a democracia que surgem através da apropriação das tecnologias por parte dos cidadãos. No entanto, isso deve entrar como parceria entre governo e população. “É muito claro o quanto as coisas vão evoluindo quando o governo é transparente”, afirma Maia. “Quando eu faço parte disso, existe um controle social maior”.

Link da notícia: http://www.gazetadopovo.com.br/haus/reacao-urbana/primeiro-dia-de-smart-city-expo-curitiba-smart-city-primeira-cidade-inteligente-brasil/